martes, 17 de septiembre de 2013

POEMA PARA MI ISABELITA ( FERNANDO BRAGA)

Imagen: Vladimir Volegov
Poema para Isabelita

Os poemas que escrevo
estão tão distantes
do lirismo que cantas,
por que estamos 
nos extremos
da alma liquida do Atlântico.
Vives a primavera
no Hemisfério Norte,
numa colorida península azul,
que se perde de tão longe
do meu verão, 
abaixo do Equador,
de verdes grotões e serras.
Mas cantas meus versos
e eu versejo teus cantos;
estamos juntos nas artes
e no ritmo do coração...

Fernando Braga, in “Zagma” [Brasil]
Direitos reservados.

Imagen: Vladimir Volegov